Pular para o conteúdo principal

Como configurar a flag allow-file-access-from-files no Google Chrome

Se você já tentou desenvolver ou testar alguma aplicação no Google Chrome usando apenas páginas HTML estáticas sem hospedá-las em um servidor local qualquer, provavelmente já passou pelo impasse de não conseguir que seus códigos JavaScript, jQuery ou Ajax funcionem.


Vários tipos de implementação enfrentam esse tipo de problema: tentar enviar um request via API Ajax do jQuery, acessar uma página dentro de um iframe/embed, dentre outras.

O que acontece é que o Chrome não carrega arquivos localmente por padrão em função de restrições de segurança internas. Essa é uma discussão de muito tempo, mas já temos soluções para solucioná-la.

Através da opção de flag --allow-file-access-from-files você consegue forçar o browser a reconhecer esse recurso como antes. Vejamos os passos necessários:
  1. Acesse o prompt cmd e acesse o diretório de instalação do seu Chrome (atente que para cada tipo de instalação - usuário ou global - temos um diretório diferente). Ex: cd C:\Program Files (x86)\Google\Chrome\Application
  2. Execute o chrome.exe a partir da linha de comando com o parâmetro adicionar "--allow-file-access-from-files": chrome.exe --allow-file-access-from-files (tal como na Figura 1).
  3. Para evitar ter de refazer estes passos toda vez, basta criar uma cópia do arquivo e alterar suas propriedades, tal como vemos na Figura 2.
Figura 1. Comandos para abrir Chrome com nova flag

Figura 2. Criando atalho com a configuração.

Comentários

  1. Olá Diogo, eu estou com algumas dúvidas referentes a plataforma Android e lhe envie um e-mail aqui pela área de contato do seu site com assuntos referentes ao seu curso no DevMedia. Gostaria de saber mais alguns detalhes sobre o mesmo. Aguardo a sua disponibilidade. Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. testei em 21/10/2018 e não está funcionando, alguém conhece alguma alternativa?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como acessar um iframe e seus elementos via jQuery?

Recentemente tive  um problema no projeto pois sentiu a necessidade de acessar um valor de um input que estava dentro de um iframe. Esse tipo de situação não é tão comum, uma vez que geralmente acessamos os valores do iframe para fora. Para acessar, de dentro de um iframe, um valor externo, utilizamos o seguinte código: $('#idDoElementoExterno', parent.document).val(); Entretanto, nunca tínhamos passado pela situação contrária. Pesquisando um pouco descobrimos uma alternativa, porém em JavaScript. Para ficar melhor o entendimento, vamos simular uma situação aqui. Temos uma página html "A.html" e dentro da mesma existe um iframe que aponta (src) para uma página "B.html": <!-- A.html --> <html> <head> <title>Testando iframe - jQuery</title> <script language="JavaScript"> function exibeValor() { // alert aqui! } </script> </head> <body> <input typ

"Content is not allowed in prolog" - Entendendo exceção no Seam

Recentemente tive um problema de edição em um arquivo .xhtml utilizando JBoss Seam, Richfaces e afins. A princípio a mensagem de erro não dizia muito a respeito da causa do mesmo: com.sun.facelets.FaceletException: Error Parsing /consulta.xhtml: Error Traced[line: 1] Content is not allowed in prolog. "O conteúdo não é permitido no prólogo". Mas que conteúdo? Em qual prolog? Depois de dar uma pesquisada descobri que o erro acontece em vista de terem sido colocados alguns caraceteres inválidos antes da declaração de documento xml na página xhtml. Em outras palavras, a primeira coisa que deve constar em um documento xml (afins) deve ser: <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> Qualquer coisa antes disso, até mesmo um simples espaço em branco, pode gerar o erro em questão. Por fim, lembre-se de que a declaração de documento xml segue o padrão de encoding definido. Logo temos: <!-- Inc

Integrando Android e PayPal com Java e MySQL - Parte 2

Na primeira parte deste artigo, nós cobrimos toda a configuração inicial do ambiente, envolvendo principalmente o projeto Java Web com Restful, as bibliotecas e ferramentas envolvidas, bem como suas respectivas versões. Criamos também toda a comunicação com o banco de dados, o modelo Entidade-Relacionamento, o SQL gerado e as configurações da API do PayPal SDK para Java. Nessa parte, focaremos em finalizar a aplicação de modelo, principalmente no lado Android, testando tudo de forma local. Você poderá efetuar o download do código fonte diretamente do meu GitHub, no botão abaixo: DOWNLOAD CÓDIGO Na Figura 1 abaixo você pode visualizar como ficarão nossas telas ao final da implementação: Configurando o projeto Android Antes de criar o projeto, precisamos efetuar o download do PayPal Android SDK . Extraia os arquivos em uma pasta de preferência. Mais uma vez, você pode se sentir à vontade para usar o Eclipse Android Bundle ou o AndroidStudio para programar a parte Andr